Contabilidade Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil <p>The <strong>Journal of Accounting, Management and Governance</strong> (JAMG) is a journal that emerged in 2009 from the partnership between the Multi-Institutional and Interregional Accounting Postgraduate Programme in the University of Brasília and Federal University of Paraíba and Federal University of Rio Grande do Norte and the Postgraduate Programme in Management of the University of Brasília. The joint effort of these programmes aims to leverage the knowledge and governance dissemination of public, private, and third sector organizations developed by national researchers. With a proposal to become a national reference periodical, Journal <strong>JAMG </strong>adopts the best editorial practices of international journals and the recommendations and standards of Qualis/CAPES, which evaluates the quadrennium journal along with the evaluation of the performance of the graduate programs.</p> <p><strong>JAMG</strong> succeeds the former scientific journal UnB Contábil, with a history of publications started in 1998, without interruptions, whose experience has been absorbed for the management of the new periodical, including the same identification number of internationally accepted documents and information (ISSN). Until 2007, the editions of the newspaper UnB Contábil were printed. As of 2008, the editions became available only in an electronic medium through a website.</p> Contabilidade Gestão e Governança pt-BR Contabilidade Gestão e Governança 1984-3925 <p>A revista CGG adota a política de licenciamento de seu conteúdo pela política do Creative Commons, sob a licença: Creative Commons Atribuição-Não comercial, sem derivações 4.0 Internacional. Os artigos podem ser copiados, distribuídos, exibidos, transmitidos ou adaptados, desde que citados, de forma clara e explícita, o nome da revista, a edição, o ano e as páginas nas quais o artigo foi publicado originalmente, mas sem sugerir que a CGG endosse a reutilização do artigo. Esse termo de licenciamento deve ser explicitado para os casos de reutilização ou distribuição para terceiros. Não é permitido o uso para fins comerciais.</p> <p id="yui_3_16_0_ym19_1_1479373704591_388350" align="left"><span id="yui_3_16_0_ym19_1_1479373704591_388349">Por meio da licença CC-BY-NC-ND os conteúdos estão liberados para interoperar plenamente com os mais diferentes sistemas e serviços. O Critério CC-BY-NC-ND segue as políticas de acesso aberto dos principais publicadores e periódicos de AA (Acesso Aberto).</span></p> Qualidade dos Lucros e Resiliência de Instituições Financeiras Brasileiras: Uma Análise do Índice de Basileia https://revistacgg.org/contabil/article/view/2593 <p><strong>Objetivo</strong>: Analisar a relação entre o índice de Basileia e a qualidade dos lucros reportados por entidades do setor financeiro brasileiro.</p> <p><strong>Método: </strong>Foram examinados dados semestrais, divulgados no <em>site</em> do BACEN, de 105 instituições financeiras, entre os anos de 2010 a 2018, totalizando 1.889 observações. O método escolhido para a aferição da qualidade dos lucros foi o gerenciamento de resultados, mediante a conta Perdas com Crédito de Liquidação Duvidosa (PCLD), sendo esta utilizada como variável dependente em modelo de regressão com dados em painel por efeitos fixos e aleatórios. Como variável independente utilizou-se o Índice de Basileia (IB) como <em>proxy</em> de resiliência financeira.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>Analisar a relação entre lucro e resiliência é original e relevante por fornecer <em>insights </em>sobre a confiabilidade da <em>proxy</em> de estabilidade financeira dos bancos brasileiros, em contrapartida com qualidade da informação contábil.</p> <p><strong>Resultados: </strong>Uma das regressões retornou relação negativa e significativa do Índice de Basileia com a PCLD. A conclusão é a de uma relação inversa entre a resiliência e o gerenciamento, configurando-se evidência de qualidade informacional do índice de estabilidade financeira.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: Contribui com a literatura sobre qualidade informacional contábil ao atestar a resiliência financeira dos bancos como uma medida confiável para diversos usuários.</p> Paulo Vitor Souza de Souza Jose Augusto Paixão Moraes Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 256 273 10.51341/1984-3925_2021v24n3a1 Relações entre contabilidade e inteligência: caminhos de pesquisa https://revistacgg.org/contabil/article/view/2602 <p><strong>Objetivo</strong>: identificar de que forma se apresenta o desenvolvimento do conhecimento e quais as possíveis lacunas deste em pesquisas que envolvem a Contabilidade e os processos de Inteligência.</p> <p><strong>Método</strong>: estudo de natureza qualitativa e quantitativa. Realizou-se uma Revisão sistemática de literatura em que foram analisados 89 artigos publicados em periódicos científicos, coletados em julho de 2020.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância</strong>: A contabilidade está cada vez mais inserida no processo de tomada de decisão e na gestão dos negócios de forma a ser relevante a apropriação de conceitos de Inteligência Estratégica junto à ciência da contabilidade, uma vez que a utilização das informações advindas do ambiente externo pode auxiliar na mensuração de forma mais assertiva dos fatos contábeis e na obtenção de melhores informações para a tomada de decisão.</p> <p><strong>Resultados</strong>: observa-se quatro principais enfoques de pesquisa nesse contexto: a utilização de sistema de Business Intelligence; o melhoramento de provisões contábeis; o monitoramento do ambiente para identificação de aspectos relevantes à vida financeira das organizações; e a automatização dos processos contábeis por meio de Artificial Intelligence e demais tecnologias.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: O estudo traz como contribuição uma visualização sobre como os temas de contabilidade e inteligência se ramificam em enfoques diferentes de pesquisas. Portanto, foi possível identificar quatro enfoques no desenvolvimento do conhecimento e lacunas de pesquisas que envolvem a Contabilidade e os processos de Inteligência. Dois enfoques de pesquisa estão mais voltados ao uso de tecnologia e automatização de processos, um enfoque voltado ao aspecto mais gerencial de monitoramento de ambiente e um aspecto mais técnico voltado a apuração contábil. Como contribuição metodológica tem-se a forma de sistematização e ilustração dos processos de coleta.</p> Fernanda da Silva Momo Claudia Melati Raquel Janissek-Muniz Ariel Behr Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 274 292 10.51341/1984-3925_2021v24n3a2 Efeito do Ciclo de Vida na Relação entre Qualidade da Governança Corporativa e Custo da Dívida das Empresas Abertas no Brasil https://revistacgg.org/contabil/article/view/2612 <p><strong>Objetivo:</strong> Investigar o efeito do estágio de ciclo de vida na relação entre a qualidade da governança corporativa e o custo da dívida das empresas abertas no Brasil.</p> <p><strong>Método:</strong> A qualidade da governança corporativa foi medida por meio de um índice (CGI) composto por 9 itens e o custo da dívida foi capturado diretamente das notas explicativas das demonstrações financeiras. A análise contou com 49 empresas não financeiras integrantes do IBrX-100 entre os anos de 2010 e 2019, com auxílio de regressões com dados em painel.</p> <p>Originalidade/Relevância: O estudo inova aos explorar o efeito moderador do estágio do ciclo de vida das firmas na relação entre governança corporativa e custo da dívida, demonstrando que essa associação é mais importante nos estágios de Turbulência e Declínio.</p> <p><strong>Resultados:</strong> O custo médio da dívida foi de 7,64% a.a., inferior às médias evidenciadas em estudos anteriores no contexto brasileiro, estando mais alinhado às práticas do mercado. Os achados demonstram que a governança é mais importante para a redução do custo da dívida de empresas nos estágios de Turbulência e Declínio, revelando que efetivamente o ciclo de vida da empresa importa para essa relação.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas:</strong> O estudo demonstra que o custo da dívida não é representado adequadamente pelo agregado da rubrica “Despesas Financeiras” das demonstrações financeiras da empresa, que o mercado de crédito tende a incluir a governança na determinação do custo do capital e que o ciclo de vida é especialmente importante para a redução do custo da dívida de empresas mais arriscadas, nos estágios de Turbulência e de Declínio.</p> João Paulo Machado Ribeiro Dêner Matheus da Silva Viana Orleans Silva Martins Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 293 311 10.51341/1984-3925_2021v24n3a3 Proposta de Estrutura Conceitual para a Pesquisa em Governança Corporativa https://revistacgg.org/contabil/article/view/2709 <p><strong>Objetivo</strong>: O objetivo desse artigo é apresentar e discutir uma estrutura conceitual para a pesquisa em governança corporativa.</p> <p><strong>Método: </strong>O arranjo adotado decorre da nossa análise de algumas das estruturas conceituais de governança corporativa existentes, que apesar de relevantes, falham em criar consenso e estabelecer uma estrutura compartilhada.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância:</strong> Entendemos que a estrutura conceitual proposta, além de original, é melhor estruturada e mais abrangente do que as estruturas existentes.</p> <p><strong>Resultados: </strong>A estrutura proposta parte da divisão clássica entre variáveis relativas aos ambientes interno e externo, dividindo o ambiente interno em três dimensões: (i) estrutural (relação principal-principal); (ii) dimensão (relação principal-agente); e (iii) comportamental (relações interpessoais). Todas essas categorias contêm discussões relevantes e permitem aos pesquisadores enxergar a governança corporativa como um todo integrado, com arranjos únicos para cada firma específica.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: Sob a perspectiva acadêmica, a estrutura proposta consolida o conhecimento gerado na área de maneira estruturada e permite uma interpretação harmoniosa e integrada das suas diferentes facetas.</p> <p><strong>Contribuições sociais/para a gestão:</strong> Sob uma perspectiva prática, profissionais e reguladores podem usar a estrutura proposta para ter uma visão integrada dos mecanismos de governança corporativa existentes, de modo a apoiar suas decisões.</p> Fernando Trambacos Tatiana Albanez Luiz Nelson Guedes de Carvalho Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 312 330 10.51341/1984-3925_2021v24n3a4 Identificação de Ações Discricionárias do Gestor em Cooperativas de Crédito: Uma aplicação da Lei de Benford https://revistacgg.org/contabil/article/view/2714 <p><strong>Objetivo</strong>: Investigar se a Lei de Benford poderia ser uma ferramenta que contribuiria para o aprimoramento do processo de supervisão das cooperativas pelo Banco Central do Brasil (BACEN). Isto é, se sua aplicação aumentaria a assertividade na identificação das cooperativas cujo gestor tem feito escolhas discricionárias que divergem do padrão regulatório.</p> <p><strong>Método: </strong>A Lei de Benford foi aplicada a todas as cooperativas de crédito singulares do Brasil, no período 2006 a 2017 - janela com relevante mudança regulatória, para as contas de Receita Operacional, Despesa Operacional, Caixa e Perda Estimada para Clientes/Créditos de Liquidação Duvidosa em diferentes janelas de tempo.</p> <p><strong>Relevância: </strong>As evidências discutidas oferecem elementos para aprimoramento de mecanismos de regulação, indicando a possibilidade de os gestores estarem utilizando de seu poder discricionário para influenciar os resultados das cooperativas de crédito singulares. </p> <p><strong>Resultados: </strong>O tempo é um fator importante para o uso da ferramenta. Aplicações em períodos longos não capturam as discricionariedades dos gestores devido as potenciais acomodações das variações ao longo do tempo. A periodicidade anual permite à técnica capturar potenciais ações discricionárias nas contas estudadas. Além disso, a técnica se mostrou consistente para gerar uma lista de cooperativas que deveriam ter um processo de fiscalização e/ou averiguação mais intensa. Ainda, indica que os normativos editados em 2015 contribuíram para reduzir o incentivo ao gerenciamento de resultado e/ou fraude nessas organizações.</p> <p><strong>Contribuições metodológicas</strong>: A pesquisa preenche a lacuna na literatura sobre cooperativas de crédito, dado que há poucos estudos sobre a prática de ações discricionárias nestas organizações incluindo escolhas contábeis, gerenciamento de resultados, fraude ou erros. As evidências encontradas podem ser um indício de ajuste das cooperativas de crédito ao padrão do setor em função da adoção das resoluções nº 4.434 e nº 4.454. A Lei de Benford também se mostra útil como ferramenta para seleção de amostras para auditorias, podendo aprimorar o trabalho dos órgãos de fiscalização.</p> Ricardo Theodoro Carlos Alberto Grespan Bonacim Davi Rogério de Moura Costa Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 331 348 10.51341/1984-3925_2021v24n3a5 Editorial Fascículo 3/2021 – setembro/dezembro 2021 https://revistacgg.org/contabil/article/view/2813 <p>A produção do conhecimento científico é cercada de inúmeros desafios e emoções diversas. Seguimos em 2021, enfrentando ainda muitos desafios sanitários e vivenciando o trabalho remoto. Passamos a conhecer novas formas de investigação no campo acadêmico e observamos novas contribuições do campo para o desenvolvimento das organizações. Também, com o mesmo propósito de disseminar o conhecimento produzido, reunimos mais uma vez esforços de cada colaborador voluntário para organizar os fascículos deste periódico. Deixamos registrado aqui nosso agradecimento a cada autor, cada avaliador, cada editor associado, a Universidade de Brasília e todos os leitores.</p> <p>Neste último fascículo de 2021 continuamos com o compromisso ético de apresentar ao leitor o resultado da seleção de artigos que compõe esse número do periódico. Apresentam-se aqui 11 artigos, destes, consideramos artigos de pesquisa, artigos originais, artigos de revisão, e um artigo internacional. Todos esses trabalhos estão distribuídos em 3 seções e alinhados ao grande tema: contabilidade, gestão e governança.</p> <p>Na seção <strong>Gestão e Contabilidade de Empresas Privadas e do Terceiro Setor, </strong>o primeiro artigo da seção, tem um olhar para o setor financeiro no Brasil, analisando a qualidade dos lucros e a resiliência das instituições financeiras. O trabalho busca compreender em que medida os instrumentos regulatórios sintetizados, por meio do índice de basileia, têm sido robustos para que confiram estabilidade ao referido setor. De um modo geral, os resultados desta pesquisa demonstram que, a qualidade informacional do índice de basileia não acompanha eventuais aumentos nas perdas estimadas nas carteiras de crédito analisadas.</p> <p>Selecionamos um dos artigos desenvolvidos por meio da técnica de revisão sistemática, que busca a compreensão das relações entre contabilidade e inteligência. A partir da análise sistemática de 89 artigos, os autores demonstram que há uma predominância em quatro enfoques de pesquisa nessa área: a utilização de sistema de <em>Business Intelligence; </em>o melhoramento de provisões contábeis; o monitoramento do ambiente para identificação de aspectos relevantes à vida financeira das organizações; e a automatização dos processos contábeis por meio de <em>Artificial Intelligence </em>e demais tecnologias. A partir desses enfoques, os autores apontam para a necessidade de as organizações realizarem maiores investimentos nos processos de inteligência no campo da contabilidade com vistas à melhoria em seus processos decisórios. Este artigo está organizado no título “<em>Relações entre contabilidade e inteligência: caminhos de pesquisa”</em></p> <p>O artigo <em>“Efeito do Ciclo de Vida na Relação entre Qualidade da Governança Corporativa e Custo da Dívida das Empresas Abertas no Brasil”</em> traz importantes reflexões acerca da governança corporativa e custo da dívida, utilizando-se do estágio de ciclo de vida como variável moderadora, cujos resultados são bem interessantes. Dentre eles, constatou-se que os instrumentos de governança corporativa contribuem de forma relevante na redução do custo de dívida em empresas cujo estágio de ciclo de vida foi classificado como em “turbulência” ou “declínio”. Tais resultados são especialmente importantes ao ratificarem que instrumentos de governança corporativa protegem os interesses dos investidores e agregam valor econômico às empresas, sobretudo, em momentos cujo ciclo de vida encontra-se desfavorável.</p> <p>Complementando as contribuições desta primeira seção, os autores do artigo <em>“Proposta de Estrutura Conceitual para a Pesquisa em Governança Corporativa”</em> fazem uma aprofundada reflexão sobre uma estrutura conceitual em governança na perspectiva de melhoria de arranjos contratuais entre empresa e <em>stakeholders</em>.</p> <p>Na busca de identificar mecanismos de monitoramento e mitigação de fraudes, o artigo “<em>Identificação de Ações Discricionárias do Gestor em Cooperativas de Crédito: Uma aplicação da Lei de Benford</em>” analisou dados de Cooperativas de Crédito no período de 2006 a 2017. Os resultados evidenciam que o uso da referida técnica em períodos longos não é adequada para identificação de possíveis ocorrências de fraudes. Contudo, ao ser utilizada em períodos anuais, mostrou-se eficiente na identificação de ações discricionárias do gestor ao analisar as contas – Receita Operacional, Despesa Operacional, Caixa e Perda Estimada para Clientes/Créditos de Liquidação Duvidosa. A partir desses resultados, os autores sugerem o uso da Lei de Benford na melhoria do processo de seleção de amostras de auditoria, bem como no monitoramento das escolhas discricionárias do gestor com vistas a mitigação de gerenciamento de resultados ou fraude.</p> <p>A seção de <strong>Gestão e Contabilidade Pública</strong> é inaugurada nessa edição por uma discussão quanto as “<em>Lógicas Institucionais na Mensuração e Gestão de Custos em Hospitais Acreditados</em>”. Por meio de <em>survey</em> os autores procuraram compreender “a influência das lógicas institucionais na adoção das práticas de mensuração e gestão de custos” e os resultados revelam os principais motivos que levam os hospitais componentes da amostra a realizarem a mensuração e gestão dos custos: questões profissionais; de mercado; burocráticas e comunidade.</p> <p>Valendo-se do instrumento <em>Knowledge Development Process-Constructivist</em> o artigo “<em>Avaliação de Desempenho sob a Perspectiva da Justiça Organizacional: Revisão e Agenda de Pesquisa</em>” traz importantes contribuições acerca da temática de avaliação de desempenho sob a ótica da Justiça Organizacional. Dentre os achados, constata-se a “carência de investigações sobre as percepções de justiça interpessoal e informacional”, bem como uma lacuna acerca do desenvolvimento “modelos adaptados ao contexto, valores e preferências dos tomadores de decisão”.</p> <p>Com o objetivo de analisar as normas e políticas de integridade e anticorrupção, o terceiro artigo dessa seção teve como objeto de pesquisa as controladorias gerais de estado e das capitais brasileiras. Em razão dos resultados apresentados, constata-se a incipiência quanto a institucionalização de uma agenda indutora na temática de integridade e anticorrupção de forma coordenada, de modo a contribuir para o avanço desse relevante tema no Brasil.</p> <p>O artigo qualitativo “<em>Transparência e Accountability: Análise dos Indicadores de Gestão dos Institutos Federais de Educação</em>”, busca comprender a influência de indicadores que contribuem para a promoção da <em>accountability</em>. Os resultados apontam para diversos desafios que revelam o formalismo na existência e uso dos referidos indicadores, tais como: divulgação incipiente, ausência de metas para os indicadores, ausência do uso dos referidos indicadores como ferramenta de gestão. Destaca-se ainda o fato de que tais indicadores foram estabelecidos por meio de imposição regulatória, o que em certa forma explica os resultados da pesquisa, bem como o fato de que nenhuma IFE atendeu plenamente aos requisitos avaliados.</p> <p>Já o último artigo dessa seção “<em>Avaliação da Governança da Educação Básica no Brasil</em>”, apresenta contribuições tanto no campo metodológico de avaliação da governança na educação básica, como evidencia como tem sido esse processo para garantir e promover a educação inclusiva, equitativa e de qualidade aos brasileiros. No campo metodológico, os autores validam instrumento de avaliação contendo 4 fatores principais de avaliação. Como principais resultados, o estudo apontou que o processo de governança da educação brasileira apresenta problemas, sendo os mais prejudiciais a assimetria de informação entre os atores educacionais e a ausência de um sistema nacional de avaliação da educação, ambos essenciais para o exercício da governança e, consequentemente, para o cumprimento das diretrizes quanto a promoção e garantia de uma educação inclusiva, equitativa e de qualidade.</p> <p>Na <strong>Seção Internacional, </strong>contamos com as reflexões do artigo qualitativo “<em>Princípios do Código de Procedimento Administrativo e seus Contributos para a Accountability: o Caso Português</em>”. Os autores analisaram as contribuições advindas do Código de Procedimento Administrativo para o exercício da <em>accountability</em> e o fortalecimento do Estado Democrático de Direito. Os resultados apontam que a institucionalização do mencionado diploma legal trouxe contribuições para a melhoria dos valores constitucionais e sua implementação à luz das dimensões de <em>accountability</em>. Esse resultado demonstra a aderência do referido dispositivo na busca de respostas da Administração Pública aos novos e complexos desafios e demandas da sociedade portuguesa.</p> <p>Este fascículo, portanto, foi marcado pelo esforço de cada um dos pesquisadores em avançar na construção do conhecimento no nosso campo. Isso visto nas inúmeras submissões que recebemos. Trata de uma demonstração de recomeço em meio ao recomeço da vida, de nova forma de pensar o mundo. Que 2022 seja um novo tempo e de grandes realizações.</p> <p>Boa leitura.</p> <p>Os editores,</p> <p>Rodrigo de Souza Gonçalves</p> <p>Andrea de Oliveira Gonçalves</p> Rodrigo de Souza Gonçalves Andrea de Oliveira Gonçalves Copyright (c) 2021 Rodrigo de Souza Gonçalves, Andrea de Oliveira Gonçalves 2021-12-30 2021-12-30 24 3 Princípios do Código de Procedimento Administrativo e seus Contributos para a Accountability: o Caso Português https://revistacgg.org/contabil/article/view/2680 <p><strong>Objetivo:</strong> O objetivo deste estudo é analisar os contributos que os princípios gerais estabelecidos no Código de Procedimento Administrativo (Decreto-Lei nº 4/2015, de 7 de janeiro) português trouxeram para o exercício da <em>accountability</em>. </p><p><strong>Método: </strong>Foi realizada uma pesquisa com recurso ao método qualitativo através de pesquisa bibliográfica e documental.</p><p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>A aprovação do atual Código de Procedimento Administrativo (Decreto-Lei nº 4/2015, de 7 de janeiro) trouxe importantes inovações em relação ao texto anterior, especialmente em seus princípios gerais da atividade administrativa. Dentre as mudanças, há menção expressa à necessidade de eficiência da Administração Pública, o compromisso desta diante à responsabilização de seus atos e à garantia da participação popular. Com efeito, o estudo analisou se a inclusão de tais princípios fortalece a concretização do Estado Democrático de Direito, propiciando um ambiente favorável as demandas de <em>accountability</em>, conforme é a intenção do diploma.<strong></strong></p><p><strong>Resultados: </strong>A análise efetuada mostra que o atual Código de Procedimento Administrativo atua em estreita proximidade aos valores constitucionais e as dimensões que envolvem o conceito de <em>accountability</em>, sendo em tese um instrumento de garantia da legitimação democrática. </p><p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas: </strong>A pesquisa contribui para a discussão do tema na Administração Pública e para alargar a discussão na literatura, e nomeadamente no ordenamento jurídico português, se os princípios do CPA contribuem para o exercício da <em>accountability</em>, das entidades públicas, face aos novos desafios propostos pela crescente complexidade das sociedades modernas e às novas visões da Administração Pública.</p> Débora Leal de Lima Willian Batista Oliveira Sónia P. Nogueira Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 438 455 10.51341/1984-3925_2021v24n3a11 Lógicas Institucionais na Mensuração e Gestão de Custos em Hospitais Acreditados https://revistacgg.org/contabil/article/view/2725 <p><strong>Objetivo</strong>: analisar qual a influência das lógicas institucionais na adoção das práticas de mensuração e gestão de custos em hospitais acreditados brasileiros.</p> <p><strong>Método: </strong>utiliza como estratégia o levantamento, por meio de um questionário. A amostra compreende 85 respostas e a análise dos dados foi feita por meio da estatística descritiva e modelagem de equações estruturais.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância:</strong> verificou-se poucos estudos <em>surveys</em> acerca da temática. Ainda, na literatura nacional há poucas pesquisas teórico-empíricas acerca do tema de custos, além da ausência de orientação teórica nas existentes (Ramalho, 2016), não sendo identificado estudos que abordam a contabilidade de custos sob ótica das lógicas institucionais.</p> <p><strong>Resultados:</strong> as motivações que levam a fazer a mensuração e gestão de custos estão relacionadas às questões profissionais (envolvendo qualidade e excelência do serviço prestado); de mercado (necessitando sustentabilidade financeira); burocráticos (estabelecendo padrões e protocolos); e comunidade (considerando acessibilidade e transparência). A análise estatística aponta que a lógica de mercado influencia na adoção de mais práticas de custos que as demais, seguida da lógica de comunidade.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: ao considerar que as lógicas concorrentes, atuando no mesmo campo, contribuem para a gestão como um todo, atendendo a demanda por qualidade, acessibilidade e redução de custos, este estudo contribui para o entendimento sobre o que pode estar influenciando ou não a utilização das práticas de mensuração e gestão de custos, que são importantes para controle e gerenciamento dos hospitais.</p> Beatriz Negrelli da Silva Katia Abbas João Marcelo Crubellate Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 349 369 10.51341/1984-3925_2021v24n3a6 Avaliação de Desempenho sob a Perspectiva da Justiça Organizacional: Revisão e Agenda de Pesquisa https://revistacgg.org/contabil/article/view/2753 <p><strong>Objetivo:</strong> Explorar a literatura acerca da Avaliação de Desempenho (AD) sob a perspectiva da Justiça Organizacional, de forma a colaborar com a construção de conhecimento e com a identificação das lacunas de pesquisa.</p> <p><strong>Abordagem teórica: </strong>Utilizou-se o instrumento Knowledge Development Process-Constructivist para selecionar e analisar, de forma sistematizada e reflexiva, o Portfólio Bibliográfico (PB) representativo do tema.</p> <p><strong>Resultados:</strong> Constatou-se a existência de: uma literatura focada nas consequências para as pessoas, envolvendo variáveis como satisfação e comprometimento; preponderância de estudos que abordam a AD em nível individual; e, carência de investigações sobre as percepções de justiça interpessoal e informacional. Os artigos analisaram, principalmente, os antecedentes e as consequências das percepções de justiça da AD. Dentre as lacunas citam-se a necessidade de desenvolver modelos personalizados ao contexto que integrem as percepções dos quatro fatores de justiça e de cada unidade ou organização; e o desenvolvimento de estudos que envolvam a justiça interpessoal e informacional e as percepções em nível organizacional.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>O estudo apresenta aspectos das percepções de justiça da AD como fator relevante que influencia comportamentos dos funcionários e aponta as lacunas de pesquisa para evolução do tema.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas:</strong> Esse estudo contribui cientificamente pois compila artigos reconhecidos e propõe uma agenda de pesquisa com tópicos para futuras investigações.</p> <p><strong>Contribuições sociais/para a gestão:</strong> Os achados contribuem com os gestores ao longo do ciclo de vida de um SAD, ao evidenciar como a percepção de justiça impacta os comportamentos dos funcionários no alcance dos objetivos organizacionais.</p> Maiara Sardá Silva Sandra Rolim Ensslin Alcindo Cipriano Argolo Mendes Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 370 388 10.51341/1984-3925_2021v24n3a7 Políticas de Integridade e Anticorrupção no Brasil: o Papel da Controladoria-Geral em Estados e Capitais https://revistacgg.org/contabil/article/view/2551 <p><strong>Objetivo</strong>: analisar como normas e políticas de integridade pública e anticorrupção (PIPACs) estão relacionadas aos principais papeis das controladorias-gerais de estados e capitais brasileiras no ciclo interno anticorrupção.</p> <p><strong>Metodologia</strong>: utiliza-se análise de conteúdo e estatística descritiva para uma pesquisa qualitativa em uma amostra de 53 governos, com dados coletados em documentos e websites oficiais.</p> <p><strong>Resultados:</strong> existe controladoría em 84,9% (45) dos governos, mas a maioria não tem política de integridade (71,7%) nem anticorrupção (83%). Onde essas políticas existem, as controladorias têm papel central, seguindo o modelo federal que integra o ciclo interno anticorrupção, o que evidencia processos de isomorfismo institucional.</p> <p><strong> Originalidade/relevância</strong>: existem alguns estudos sobre o processo de isomorfismo nas controladorias subnacionais, mas praticamente não há pesquisas sobre a existência de políticas de integridade pública em governos locais do Brasil, tampouco sobre o papel das instituições locais nessas políticas, já que poucos as possuem.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: na perspectiva neoinstitucional, o artigo investiga como o isomorfismo do ‘modelo federal’ está associado à existência de instrumentos anticorrupção em nível organizacional. Isso pode contribuir para uma melhor comprensão sobre o que representam as instituições para o policy process de uma PIPAC nos governos brasileiros.</p> <p><strong>Contribuições sociais/para a gestão</strong>: o estudo evidencia que os governos subnacionais brasileiros não seguem as recomendações internacionais sobre integridade. A coordenação de funções anticorrupção em uma agência interna eficaz, com autonomia e capacidade, pode contribuir para a eficácia de uma PIPAC e facilitar sua institucionalização.</p> Rodrigo De Bona Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 389 405 10.51341/1984-3925_2021v24n3a8 Transparência e Accountability: Análise dos Indicadores de Gestão dos Institutos Federais de Educação https://revistacgg.org/contabil/article/view/2697 <p><strong>Objetivo: </strong>compreender se os indicadores de gestão dos Institutos Federais de Educação contêm o nível de transparência necessário para serem considerados instrumento para promoção de accountability da burocracia ou apenas caracteriza o cumprimento de formalidade legal.</p> <p><strong>Método: </strong>abordagem qualitativa do problema, as informações foram coletadas dos indicadores de gestão instituídos pelo Tribunal Contas da União e contidos nos Relatórios de Gestão anuais e consolidados dos Institutos Federais de Educação – IFE’s. Período de 2013 a 2017, busca realizada no endereço eletrônico dos participantes.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>pesquisas relacionadas aos Relatórios de Gestão ainda são limitadas na visão de Zorzal (2015). Estudos relacionados ao tema não possuíam como escopo os indicadores de gestão apresentados pelos Institutos Federais de Educação.</p> <p><strong>Resultados: </strong>os indicadores de gestão solicitados pelo TCU não estão conexos ao processo de tomada de decisão dos IFE’s, sendo percebido formalismo na apresentação.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas: </strong>amplia-se a discussão a respeito dos controles para preservação da democracia representativa, da transparência da informação, com atenção aos atributos da visibilidade, da capacidade de inferência e accountability.</p> Bríscia Oliveira Prates Rigoni Rosimeire Pimentel Gonzaga Robson Zuccolotto Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 406 421 10.51341/1984-3925_2021v24n3a9 Avaliação da Governança da Educação Básica no Brasil https://revistacgg.org/contabil/article/view/2707 <p><strong>Objetivo</strong>: Tendo em vista as diretrizes dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o objetivo foi avaliar o processo de governança na educação básica brasileira por meio da aplicação do instrumento de Oliveira, Nunes &amp; Guerra (2020).</p> <p><strong>Método: </strong>Este estudo baseou-se 1) na análise fatorial da dimensionalidade do instrumento de Oliveira et al. (2020), e 2) uma análise empírica de sua aplicação a uma amostra de 511 líderes, gestores e conselheiros da educação básica no Brasil.</p> <p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>Este estudo relata uma avaliação empírica da governança na educação básica brasileira. Os achados representam a realidade dos gestores estaduais e municipais incluídos na amostra e contribuem para a validação de um instrumento que se insere no processo de governança da educação básica brasileira.</p> <p><strong>Resultados: </strong>O instrumento foi validado com 4 construtos, a saber: institucionalização, engajamento participativo, desenho institucional e qualidade dos processos participativos. Tais construtos são consistentes com o Governance Analytical Framework (GAF) e indicam fatores que promovem a educação de qualidade no Brasil.</p> <p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: As respostas da pesquisa mostraram que as normas sociais formais explicam a dinâmica do processo de governança no Brasil.</p> Anderson Soares Furtado Oliveira André Nunes Mariana Guerra Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança 2021-12-30 2021-12-30 24 3 422 437 10.51341/1984-3925_2021v24n3a10