https://revistacgg.org/contabil/issue/feed Journal of Accounting, Management and Governance 2021-09-14T11:01:17-03:00 Rodrigo De Souza Gonçalves jamg.cgg@gmail.com Open Journal Systems <p>The <strong>Journal of Accounting, Management and Governance</strong> (JAMG) is a journal that emerged in 2009 from the partnership between the Multi-Institutional and Interregional Accounting Postgraduate Programme in the University of Brasília and Federal University of Paraíba and Federal University of Rio Grande do Norte and the Postgraduate Programme in Management of the University of Brasília. The joint effort of these programmes aims to leverage the knowledge and governance dissemination of public, private, and third sector organizations developed by national researchers. With a proposal to become a national reference periodical, Journal <strong>JAMG </strong>adopts the best editorial practices of international journals and the recommendations and standards of Qualis/CAPES, which evaluates the quadrennium journal along with the evaluation of the performance of the graduate programs.</p> <p><strong>JAMG</strong> succeeds the former scientific journal UnB Contábil, with a history of publications started in 1998, without interruptions, whose experience has been absorbed for the management of the new periodical, including the same identification number of internationally accepted documents and information (ISSN). Until 2007, the editions of the newspaper UnB Contábil were printed. As of 2008, the editions became available only in an electronic medium through a website.</p> https://revistacgg.org/contabil/article/view/2497 Ação Empreendedora no Setor Público: O “Pós-compra” de uma Universidade Pública de Minas Gerais 2021-09-14T10:59:42-03:00 Gilson David Lacerda gilsondlacerda@gmail.com Daniela Meirelles Andrade daniela.andrade@ufla.br <p class="Default"><strong>Objetivo: </strong>averiguar se a criação do setor de “Pós-compra” em uma Universidade pública do sul de Minas Gerais pode ser compreendida como uma ação empreendedora.</p><p class="Default"><strong>Método: </strong>abordagem qualitativa e descritiva, apoiada na realização de um estudo de caso observacional. As informações foram obtidas através da observação participante, entrevista semiestruturada e pesquisa documental, e analisadas pela técnica da análise temática, a partir do esquema teórico proposto.</p><p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>deslocar o foco dos estudos que destacam o indivíduo empreendedor, para a ação empreendedora propriamente dita, e explorar o tema do “Pós-compra” nas organizações públicas. Este trabalho é uma forma de proporcionar à sociedade o conhecimento das diferentes ações inovadoras promovidas pela Universidade pesquisada, além de inspirar outras organizações públicas a desenvolveram ações semelhantes.</p><p class="Default"><strong>Resultados: </strong>a criação do setor proporcionou resultados sociais no contexto da Universidade pesquisada, os quais se manifestaram através da geração de benefícios qualitativos (mudança da visão por parte dos fornecedores, suporte aos membros da comunidade universitária e impacto positivo no atendimento das necessidades de materiais) e quantitativos (redução de valores inscritos em Restos a Pagar, melhoria da execução orçamentária e gestão de recursos e, ainda, a melhoria dos índices contábeis da instituição). Pelas características apresentadas, tem-se que a criação do setor pode ser compreendida como uma ação empreendedora.</p><p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: além da contribuição para o campo de estudos sobre empreendedorismo público, o trabalho propõe um esquema teórico que pode ser empregado em novas pesquisas empíricas com o intuito de compreender a ocorrência da ação empreendedora no setor público.</p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil/article/view/2536 A Influência Do Autoengano Na Prática Da Evasão Fiscal No Brasil 2021-09-14T11:00:38-03:00 Ivone Vieira Pereira ivoneprecisao@gmail.com Cesar Augusto Tibúrcio Silva cesaraugustotiburciosilva@gmail.com <p><strong>Objetivo:</strong> Os estudos presentes na literatura evidenciam que os fatores econômicos e comportamentais influenciam na prática da evasão fiscal. Considerando essa perspectiva, esta pesquisa teve o objetivo de identificar se o autoengano influencia na prática da evasão fiscal no Brasil.</p><p><strong>Método:</strong> A coleta de dados foi realizada por meio de um quase-experimento, seguido de aplicação de questionário, entre novembro de 2016 e setembro de 2017. Foram aplicados <em>in loco </em>800 instrumentos de coleta de dados em todas as regiões geográficas do país, sendo 598 deles validados. Adotaram-se medidas para assegurar as validades de conteúdo, critério e constructo.</p><p><strong>Resultados:</strong> O teste de confiabilidade resultou em um Alfa de Cronbach de 0,63, e a Confiabilidade Composta foi superior a 0,60. Os dados foram analisados através da regressão logística binária. Os resultados desta pesquisa sugerem, sob a abordagem multivariada, que o autoengano influencia nas chances de adoção da evasão fiscal dos indivíduos.</p><p><strong>Originalidade/Relevância:</strong> Este estudo difere-se dos demais por analisar a evasão fiscal a partir da influência do comportamento humano do contribuinte.</p><p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas:</strong> A partir de uma abordagem interdisciplinar, o estudo contribui com a Administração Pública na determinação de ações que possam desestimular a sonegação fiscal por meio da implementação de estratégias políticas que incluam os fatores comportamentais do contribuinte.</p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil/article/view/2662 Ciclos políticos eleitorais: há influência das eleições municipais sobre a execução orçamentária dos municípios mineiros? 2021-09-14T11:01:17-03:00 Pedro Henrique Pereira dos Santos pedro.henrique@ufvjm.edu.br Vasconcelos Reis Wakim vasconcelos.wakim@ufvjm.edu.br Cinthia Izabela Pina Fernandes cinthia.advmg@gmail.com <p><strong>Objetivo</strong>: Este artigo pretende avaliar se os ciclos políticos geram impactos na alocação de recursos públicos em educação, saúde e investimentos de infraestrutura (obras e instalações) nos municípios do Estado de Minas Gerais.</p><p><strong>Método: </strong>Nesse contexto, a amostra foi composta por 500 municípios no período de 2007 a 2016, sendo excluídos os municípios que não apresentaram todos os dados no período estudado. Foi utilizado o modelo <em>Seemingly Unrelated Regression (SUR)</em> em painel proposto por Zellner e Theil (1962), elaborando-se um sistema de equações responsável por identificar a existência de ciclos eleitorais nas despesas supracitadas, totalizando três equações.</p><p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>Tendo em vista o <em>locus</em> do estudo, admite-se que os resultados podem colaborar no entendimento da dinâmica orçamentária municipal, considerando a influência de outras variáveis, como as binárias que se referem às mesorregiões e suas características.</p><p><strong>Resultados: </strong>Corroborando a literatura atinente aos ciclos políticos-orçamentários, os resultados desta pesquisa apontam para a existência de influência do ciclo eleitoral na aplicação de recursos públicos com aumento de gastos em anos eleitorais e retração em anos pós-eleitorais nos municípios, fato bastante evidenciado nas despesas com obras e instalações, as mais visíveis para a população.</p><p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: Desta forma, o artigo favorece uma melhor compreensão dos determinantes da utilização dos recursos públicos nos municípios mineiros.</p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil/article/view/2743 Editorial Fascículo 2/2021 – maio/agosto 2021 2021-08-31T11:49:42-03:00 JAMG (CGG) jamg.cgg@gmail.com <p>Prezados leitores,</p><p><strong> </strong></p><p>O direcionamento da <em>Revista Contabilidade Gestão e Governança </em>orienta-se pela disseminação do conhecimento nos campos da contabilidade, governança e gestão, resultantes de pesquisas e textos acadêmicos aprofundados. O intuito de compartilhar e difundir o conhecimento no meio acadêmico torna o periódico um instrumento importante de acesso para pesquisadores dos campos mencionados.</p><p>Neste editorial nos preocupamos em apresentar uma forma para auxiliar os pesquisadores menos experientes a entender o processo de elaboração de artigos e como nosso periódico os recebe. Nossa preocupação se dá especialmente porque parte da comunicação científica tem por princípio a elaboração de uma redação científica publicável, que não se trata apenas como uma questão de forma, mas sua finalização é o reflexo da organização do pensamento.</p><p>Observamos que muitos artigos têm sido reprovados, porque não atendem ao escopo da linha editorial, ou muitas vezes autores não acessam a declaração de escopo do periódico. E esta é a primeira tarefa para quem elabora um artigo e deseja publicar em periódicos indexados e de boa qualidade.</p><p class="Default">Uma orientação que merece atenção trata-se dos guias que facilitam a redação do texto. Aqui apresentamos a sugestão para os autores pouco experientes: procurem conhecer os números anteriores que foram publicados pelo periódico. Desta forma, poderão avaliar criticamente o que os editores e ou/avaliadores esperam encontrar no seu texto.</p><p class="Default">Ao cumprir essas etapas chegou a hora de preparar o texto. Muito se tem publicado sobre as qualidades de um bom texto acadêmico e aqui pedimos licença para recomendar Pereira (2017: 22)<a title="" href="file:///C:/Users/gessi/Dropbox/Revista_JAMG_CGG/Artigos%20para%202ed_2021/3-Diagramados/Editorial%20v.24%20n.1%20Pt.docx#_edn1">[i]</a> que sugere:</p><ol><li>O texto deve ser claro, para que os editores e ou avaliadores entendam a sua proposição;</li><li>O texto deve ser conciso, ou seja, deve ser produzido com tópicos e seções essenciais para não desperdiçar o tempo dos editores e ou avaliadores e o espaço do periódico;</li><li>O texto deve apresentar exatidão com observância rigorosa em relação ao conteúdo teórico-metodológico;</li><li>O documento produzido precisa apresentar uma sequência lógica dos argumentos e fatos que assegurem o interesse pela leitura dos editores, avaliadores e leitores;</li><li>Um texto elegante atrai e mantém a atenção dos editores, avaliadores e leitores, ou seja, deve ser elaborado de forma gramatical e adequada com vocabulário variado e adequado.</li></ol><p class="Default">Entendemos que, desta forma, demos o primeiro passo para encorajar nossos pesquisadores menos experientes na elaboração do seu texto acadêmico. Certamente não se trata de um <em>check list</em>, mas é uma primeira tarefa e importante de ser observada. </p><p>Neste Fascículo 2/2021, vários artigos passaram pela avaliação e decidimos publicar 6 neste momento.</p><p>No primeiro artigo dessa edição, na seção <strong>Gestão e Contabilidade de Empresas Privadas e do Terceiro Setor</strong>, o maquiavelismo é o ponto central. Intitulado de “<strong>Maquiavelismo na Criação de Folga Orçamentária”</strong> os autores trazem evidências acerca do comportamento maquiavélico e a geração de folga orçamentária. Os resultados, a partir da amostra utilizada, apontam que os indivíduos apesar de criarem folgas orçamentárias, estes reagem de formas diferentes aos estímulos relacionados ao afeto negativo imposto pela ameaça de punição como estímulo ambiental.</p><p>No segundo artigo as autoras promovem uma discussão acerca do <em>value relevance</em> dos ativos intangíveis no contexto de combinação de negócios. Intitulado de <strong>“<em>Value Relevance</em></strong><em> </em><strong>dos Ativos Intangíveis Reconhecidos em uma Combinação de Negócios”</strong> de início chama a atenção a representatividade do valor do <em>goodwill </em>quando comparado ao total dos ativos intangíveis (entre 23% a 30%). Adicionalmente, o estudo apresenta evidências de <em>value relevance</em> dessa informação em relação ao valor de mercado das empresas, seja de forma agregada (ativos intangíveis) ou não (somente <em>goodwill)</em>, o que contribui para a compreensão das informações contábeis que agregam valor na precificação do negócio.</p><p>Em mais um estudo que contribui na área de mercado financeiro os autores do texto <strong>“O Desafio de Determinar o WACC dos Operadores de Serviços de Transmissão de Energia: O caso brasileiro”</strong>, realizam uma discussão quanto aos procedimentos teórico-empíricos para se aferir o custo de capital nesse relevante setor econômico. Apresentam como considerações, ao agente regulador, a necessidade de se levar em consideração cinco aspectos na determinação do WACC de modo a refletir melhor as condições do mercado brasileiro.</p><p>Na seção <strong>Gestão e Contabilidade Pública</strong>, nossa primeira seleção é o artigo “<strong>Ação Empreendedora no Setor Público: o “pós-compra” de uma universidade pública de Minas Gerais</strong>” faz a discussão acerca de uma ação empreendedora por meio da criação do setor de “pós-compra”. Trabalharam os autores numa perspectiva qualitativa, que nos apresentam evidências de que a implantação do setor de “pós-compra” resulta na melhoria da execução orçamentária e maior eficiência. Princípios esses relevantes que levam à economicidade, legalidade e eficiência na Administração Pública.</p><p>Em mais um estudo que busca compreender o comportamento humano, os autores do artigo “<strong>A Influência do Autoengano na Prática da Evasão Fiscal no Brasil</strong>”, apresentam resultados que podem contribuir para a Administração Pública na elaboração de mecanismos que desestimulem a sonegação, pois apresentam evidências de que os indivíduos se utilizam de argumentos de autoengano, como “o pagamento de impostos não gera o retorno esperado dos serviços públicos” para justificar a sonegação tributária.</p><p>Por fim, os resultados do estudo contidos no <em>paper</em> “<strong>Ciclos político eleitorais: há influência das eleições municipais sobre a execução orçamentária dos municípios mineiros?</strong>”, sugerem que os gastos públicos, especialmente em períodos eleitorais, são realizados sem que necessariamente venham a considerar as reais necessidades da sociedade de modo a reduzir as desigualdades sociais. Os autores trabalharam com uma análise de 500 municípios mineiros, considerando que existem evidências de que há um aumento nos gastos quando se compara com os gastos dos anos pré-eleitorais no caso da saúde, educação e obras.</p><p>Esperamos que os textos selecionados para este fascículo possam inspirar os pesquisadores menos experientes e também os mais experientes a construírem o processo de produção de texto acadêmico levando em conta os ensinamentos e as diversas etapas que apresentamos. Em todos os artigos contidos aqui, seus autores lidaram adequadamente com o processo de inúmeras revisões e com as diversas dicas dos editores.</p><p>Finalmente e não menos importante, agradecemos a todos os autores, avaliadores, editores. Sem a confiança que todos têm depositado em nosso periódico, esse fascículo não seria possível. Esperamos que o leitor aprecie, critique, e principalmente una-se a nós no esforço de socializar e disseminar o conhecimento produzido e apresentado aqui.</p><p><strong> </strong></p><p><strong> </strong></p><p>Os editores,</p><p>Rodrigo de Souza Gonçalves</p><p>Andrea de Oliveira Gonçalves</p><p> </p><p><strong> </strong></p><p> </p><p> </p><div><br clear="all" /><hr align="left" size="1" width="33%" /><div><p><a title="" href="file:///C:/Users/gessi/Dropbox/Revista_JAMG_CGG/Artigos%20para%202ed_2021/3-Diagramados/Editorial%20v.24%20n.1%20Pt.docx#_ednref1">[i]</a> Pereira, Maurício Gomes. Artigos Científicos: como redigir, publicar e avaliar. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.</p></div></div> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil/article/view/2495 Maquiavelismo na Criação de Folga Orçamentária 2021-09-14T10:58:26-03:00 Amanda Beatriz Nasatto Corrêa amandanasatto10@hotmail.com Carlos Eduardo Facin Lavarda elavarda@gmail.com <p><strong>Objetivo</strong>: examinar a tendência do indivíduo com comportamento maquiavélico a criar folga orçamentária em uma situação de afeto negativo.</p><p><strong>Método: </strong>pesquisa experimental com 390 discentes de ciências contábeis de instituições de ensino superior brasileiras, e para a análise dos dados optou-se pela técnica de modelagem de equações estruturais, realizada no software SmartPLS, versão 3.</p><p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>a relevância do estudo está em medir o efeito moderador da intensidade de afeto negativo imposto pela punição na relação entre maquiavelismo e folga orçamentária. Novos estudos envolvendo maquiavelismo aportam evidências com foco nos afetos negativos, mais especificamente na punição por informações incorretas, assim como explorar os antecedentes da folga orçamentária, que podem modificar o comportamento de gerentes nas organizações.</p><p><strong>Resultados:</strong> os achados indicam que a personalidade maquiavélica pode ser considerado um antecedente da folga orçamentária, além de ser algo intrínseco no individuo, que mesmo diante da intensidade de afeto negativo imposto pela ameaça de punição como estímulo ambiental, conseguiu inibir a criação de folga orçamentária<strong>.</strong></p><p><strong><span style="vertical-align: inherit;"><span style="vertical-align: inherit;">Contribuições teóricas / metodológicas</span></span></strong><span style="vertical-align: inherit;"><span style="vertical-align: inherit;"> : os achados agregam à literatura dessa área, por demonstrar que a personalidade maquiavélica pode ser considerada como um antecedente da folga orçamentária e se utiliza da Escala de Personalidade Maquiavélica (EPS) a fim de validar essa escala no cenário nacional, além de aumentar a discussão sobre a intensidade de afeto negativo e seu efeito moderador.</span></span></p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil/article/view/2547 Relevância dos Ativos Intangíveis Reconhecidos em uma Combinação de Negócios 2021-08-31T11:49:51-03:00 Juliane Pacheco pac.juliane@gmail.com Suliani Rover sulianirover@gmail.com <p><strong>Objetivo</strong>: verificar a relevância dos ativos intangíveis reconhecidos em uma combinação de negócios das companhias de capital aberto brasileiras.</p><p><strong>Método:</strong> A amostra composta por 165 empresas, abrangendo 962 observações, foi analisada no período de 2010 a 2017 por meio de cinco regressões de dados em painel com base no modelo de Ohlson (1995; 2005) para testar as quatro hipóteses formuladas.</p><p><strong>Originalidade/Relevância: </strong>Estudos sobre <em>value relevance </em>analisaram sobre o <em>goodwill</em>, mas há campos ainda não preenchidos, de modo que o estudo preenche a lacuna sobre a relevância dos intangíveis reconhecidos em uma combinação negócios para o mercado acionário, explorando outras naturezas dos intangíveis reconhecidos em combinação de negócios, além do <em>goodwill</em>. Além disso, em 2015 a IFRS 3 entrou em discussão, tornando a visão do mercado acionário e a aplicação da norma foco da pesquisa contábil.</p><p><strong>Resultados:</strong> Os resultados apontaram que o <em>goodwill </em>representa de 23 a 30% do ativo intangível registrado no Balanço Patrimonial, enquanto os intangíveis identificados em torno de 5,6%. Quanto à relevância observou-se que tanto o valor dos ativos intangível reconhecido, como quando segregado em <em>goodwill </em>e ativo intangível identificado, se mostraram significativos e positivamente relacionados com o valor de mercado. Com relação à natureza dos intangíveis reconhecidos em combinação de negócios, alguns se mostraram relacionados ao valor de mercado.</p><p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas: </strong>A pesquisa adiciona a literatura de <em>value relevance </em>sobre combinação de negócios permitindo compreender que são relevantes para o mercado acionário, de modo que contribuem para o valor de mercado das companhias brasileiras.</p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança https://revistacgg.org/contabil/article/view/2657 O Desafio para Determinar o WACC das Operadoras de Transmissão de Eletricidade: O Caso Brasileiro 2021-09-09T19:59:43-03:00 João José Ferreira Simões simoes.joao@yahoo.com.br Heinz Ahn hw.ahn@tu-braunschweig.de Antônio Artur de Souza antonioarturdesouza@gmail.com <p><strong>Objetivo</strong>: A ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica, regularmente renova seu modelo tarifário para remunerar as operadoras de serviços de transmissão de energia elétrica. Como um componente da abordagem atual, estamos nos concentrando na taxa de retorno regulatória concedida às operadoras. Ao enfatizar as questões relativas ao cálculo deste índice, pretendemos contribuir para a melhoria metodológica da abordagem do regulador em futuras revisões tarifárias.</p><p><strong>Método:</strong> Revisamos criticamente o conceito da ANEEL de taxa de retorno regulatória, destacando questões relativas ao cálculo deste índice.</p><p><strong>Originalidade/Relevância:</strong> Não temos conhecimento de nenhuma pesquisa que analise o modelo atual da ANEEL para cálculo da taxa regulatória de retorno. Em linha com a busca da ANEEL por respaldo, nossa intenção é que nossas considerações ajudem a aprimorar a abordagem do regulador e sirvam de estímulo para a busca de respostas às questões em aberto.</p><p><strong>Resultados:</strong> Encontramos cinco aspectos que suscitam reflexões mais profundas. Nossas considerações sugerem que o conceito de determinação da taxa regulatória de retorno poderia ser adaptado para melhor refletir as condições do mercado financeiro brasileiro.</p><p><strong>Contribuições teóricas/metodológicas</strong>: Como principal achado, deve-se reconsiderar a amostra de empresas norte-americanas de energia elétrica envolvidas no cálculo do chamado fator ß. Além disso, para calcular os pesos dessas empresas para incorporar ao cálculo do ß desalavancado da amostra, as empresas com dados ausentes devem ser excluídas. Também foi observado que, em vez de reunir os dados para o cálculo do WACC de períodos bastante diferentes, esses períodos devem ser alinhados a uma base teórica.<em></em></p> 2021-08-31T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Revista Contabilidade, Gestão e Governança