UTILIZAÇÃO DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO PARA FINS GERENCIAIS

Autores

  • César Augusto Tibúrcio Silva UnB

Resumo

O urso grizzly gasta o outono a caçar e comer marmotas (McGee, 294). Para tanto, ele move grandes e profundas pedras. Considerando em termos globais, este trabalho do urso, quando comparado com o seu tamanho e o da marmota, leva à conclusão de que o urso desperdiça tempo e energia. Como o inverno é geralmente longo e rigoroso, esta dedução pode ser precipitada. O urso talvez esteja praticando esporte, divertindo-se ou exercitando-se ou talvez variando sua dieta. Ou ainda tudo isto em conjun-to. Provavelmente, a energia obtida em decorrência da ingestão da marmota seja superior aos custos da caça. O presente texto revela como o custeio por absorção pode ser utilizado para fins gerenciais. Apresenta, inicialmente, discus-são acerca da não utilização do custeio por absorção com a referida finalidade, em razão de promover distorções nas decisões devido à arbitrariedade dos rateios e de incentivar a superprodu-ção, aspecto enfatizado pela bibliografia da área de contabilidade gerencial. Por fim, demonstra que tal sistema de custeio pode ser um meio de implantação de certas estratégias empresariais e um substituto para mensuração das denominadas externalidades. (Custeio por Absorção – Contabilidade Gerencial)

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César Augusto Tibúrcio Silva, UnB

Professor Titular Universidade de Brasília

Downloads

Publicado

2009-08-05

Como Citar

Tibúrcio Silva, C. A. (2009). UTILIZAÇÃO DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO PARA FINS GERENCIAIS. Journal of Accounting, Management and Governance, 1(1). Recuperado de https://revistacgg.org/contabil/article/view/98

Edição

Seção

Articles