Política de Dividendos e Períodos de Recessão: Evidências no Mercado de Capitais Brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2021v24n1a3

Palavras-chave:

Ciclo econômico, Política de dividendos, Índice payout, Índice dividend yield.

Resumo

Objetivo: Observar o comportamento da distribuição de dividendos das empresas listadas na B3, comparando os períodos de expansão e de recessão na economia brasileira.

Método: Foram realizados dois modelos de dados em painel, o qual contaram com o índice payout e com o índice dividend yield como variáveis dependentes e uma dummy classificada como 1, para os anos em que houve recessão econômica e 0 para os anos em que houve ascensão econômica, como variável independente. Além disso, foram acrescentadas ao modelo, as variáveis de controle alavancagem financeira, tamanho e o lucro por ação.

Originalidade: O estudo abordou a distribuição de dividendos de acordo com o ciclo da economia brasileira, o que torna a pesquisa original, uma vez que não foram encontrados estudos semelhantes.

Resultados: Independentemente da proxy de distribuição de dividendos utilizada, as empresas aumentam a distribuição de dividendos em períodos de recessão, quando há maior incerteza no mercado. No que tange às variáveis de controle, para o modelo estimado utilizando a proxy índice payout, apenas a alavancagem financeira não se mostrou significante, enquanto o tamanho e o lucro por ação foram positivamente significantes.  No modelo que tem a proxy dividend yield como variável dependente, o lucro por ação não se mostrou significante, ao passo que a alavancagem financeira e o tamanho se mostraram negativamente correlacionadas ao dividend yield.

Contribuições: Identificação do aspecto economômico na política de dividendos das empresas brasileiras e na criação de valor para os acionistas em períodos de recessão econômica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Attig, N., Boubakri, N., El Ghoul, S., & Guedhami, O. (2016). The global financial crisis, family control, and dividend policy. Financial Management, 45(2), 291-313. https://doi.org/10.1111/fima.12115

Bellato, L. L. N, Silveira, A. D. M, & Savoia, J. R. F. (2006). Influência da estrutura de propriedade sobre a taxa de pagamento de dividendos das companhias abertas brasileiras. In: Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração – ANPAD.

Bliss, B. A., Cheng, Y., & Denis, D. J. (2015). Corporate payout, cash retention, and the supply of credit: Evidence from the 2008–2009 credit crisis. Journal of Financial Economics, 115(3), 521-540. https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2014.10.013

Brealey, R. A., Myers, S. C., & Allen, F. (1992). Princípios de finanças empresariais. 3. ed. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal.

Brennan, M. J. (1970). Taxes, market valuation and corporate financial policy. National Tax Journal, 23(4), 417-427.

Brito, R. D., & Silva, J. C. G. D. (2005). Testando as previsões de trade-off e pecking order sobre dividendos e dívida no Brasil. Estudos Econômicos, 35(1), 37-79. https://doi.org/10.1590/S0101-41612005000100002

Carvalho, F. B. D. (2015). A importância do mercado de capitais: considerações das teorias econômica e financeira. Trabalho de conclusão de curso em Ciências Econômicas, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Araraquara, SP.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman.

Creswell, J. W. (2007). Tradução Luciana de Oliveira da Rocha.–. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed.

Duarte, P. C., Lamounier, W. M., & Takamatsu, R. T. (2007). Modelos econométricos para dados em painel: aspectos teóricos e exemplos de aplicação à pesquisa em contabilidade e finanças. In Congresso USP de Controladoria e Contabilidade (Vol. 4, pp. 1-15).

Elton, E., & Gruber, M. (1970). Marginal Stockholder Tax Rates andthe Clientele Effect. Review of Economics and Statistics 52(1), 68-74. https://doi.org/10.2307/1927599

Farooq, O., & Ahmed, N. (2019). Dividend policy and political uncertainty: Evidence from the US presidential elections. Research in International Business and Finance, 48, 201-209. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2019.01.003

Ferreira Júnior, W. O., Nakamura, W. T., Martin, D. M. L., & Bastos, D. D. (2010). Evidências empíricas dos fatores determinantes das políticas de dividendos das firmas listadas na Bovespa. FACEF Pesquisa-Desenvolvimento e Gestão, 13(2).

Forti, C. A. B., Peixoto, F. M., & Alves, D. L. (2015). Fatores determinantes do pagamento de dividendos no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 26(68), 167-180. https://doi.org/10.1590/1808-057x201512260

Garcia, I. A. S., Arnaud, H. M. V., & Gomes, A. K. L. J. (2018). Fatores Determinantes da Distribuição de Dividendos de Instituições Financeiras Listadas na B3. In: XVIII USP International Conference in Accountng. Disponível em https://congressousp.fipecafi.org/anais/Anais2018/ArtigosDownload/1127.pdf.

Gordon, M. J. (1959). Dividends, earnings, and stock prices. The Review of Economics and Statistics, 41(2), 99-105. https://doi.org/10.2307/1927792

Gordon, M. J. (1963). Optimal investment and financing policy. Journal of Finance, v. 28, n. 2, p.264-272. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1963.tb00722.x

Grossman, S., Hart, O., 1980. Disclosure laws and take-over bids. J. Finance 35 (2), 323–334.

Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas. (2019). Comitê de Datação de Ciclos Econômicos. Disponível: https://portalibre.fgv.br/estudos-e-pesquisas/codace/.

Jens, C.E., 2017. Political uncertainty and investment: causal evidence from U. S. gubernatorial elections. J. Financial Econ. 124 (3), 563–579.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs, and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Julio, B., Yook, Y., 2012. Political uncertainty and investment cycles. J. Finance 67 (1), 45–84.

https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.2011.01707.x

La Porta, R., Lopez-De-Silanes, F., Shleifer, A., Vishny, R.W., 2000. Agency problems and dividend policies around the world. J. Finance 55 (1), 1–33.

Leite, M., Bambino, A. C., & Hein, N. (2017). Relação entre política de dividendos e desempenho econômico financeiro em empresas brasileiras e chilenas. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 205-221. http://dx.doi.org/10.18028/2238-5320/rgfc.v7n1p205-221

Lintner, J. (1956). Distribution of incomes of corporations among dividends, retained earnings, and taxes. The American economic review, 46(2), 97-113.

Lintner, J. (1962). Dividends, earnings, leverage, stock prices and the supply of capital to corporations. The Review Economics and Statistics, v. 44, n. 3, p. 243-269.

https://doi.org/10.2307/1926397

Litzenberger, R. H., & Ramaswamy, K. (1979). The effect of personal taxes and dividends on capital asset prices: Theory and empirical evidence. Journal of Financial Economics, 7(2), 163-195. https://doi.org/10.1016/0304-405X(79)90012-6.

Mande, V., & Son, M. (2012). CEO centrality and meeting or beating analysts’ earnings forecasts. Journal of Business Finance & Accounting, 39(1‐2), 82-112. https://doi.org/j.1468-5957.2011.02262.x.

Miller, M. H., & Modigliani, F. (1961). Dividend policy, growth, and the valuation of shares. The Journal of Business, 34(4), 411-433. https://doi.org/10.1086/294442

Nadeem, N., Bashir, A., & Usman, M. (2018). Determinants of dividend policy of Banks: Evidence from Pakistan. The Pakistan Journal of Social, Issues Special Issue (June), 19-27. https://doi.org/10.5829/idosi.mejsr.2013.18.3.12200

Nakabashi, L. (2006). Crescimento da Economia Brasileira e Fluxo de Capitais a Partir do Modelo de Thirlwall: 1968-1980 e 1992-2000. Revista Economia Ensaios, 21(1).

Newey, W.K. e K.D. West (1987). A Simple, Positive Semi-definite, Heteroskedasticity and Autocorrelation Consistent Covariance Matrix. Econometrica, 55, 703–708. https://doi.org/10.3386/t0055

Paiva, J. F. M., Ribeiro, K. C. S. & Fodra, M. (2016). Governança corporativa e a distribuição de dividendos no setor bancário brasileiro. Revista Espacios, 37(25).

Pinto, B. P. (2017). Dividend yield e os retornos das ações brasileiras. Dissertação de mestrado em Finanças e Economia Empresarial, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro. RJ.

Procianoy, J. L. (1996). Dividendos e tributação: o que aconteceu após 1988-1989. Revista de Administração, 31(2), 7-18.

Pustejovsky, J. E., & Tipton, E. (2018). Small-sample methods for cluster-robust variance estimation and hypothesis testing in fixed effects models. Journal of Business & Economic Statistics, 36(4), 672-683. https://doi.org/10.1080/07350015.2016.1247004

Ross, S. A. (1977). The determination of financial structure: the incentive-signalling approach. Bell Journal of Economics, n. 8, p. 23-40. https://doi.org/10.2307/3003485

Sampieri, R. H., & Collado, C. F. (2006). Lúcio P.B. Metodologia de Research. 3. ed. São Paulo: MacGraw-Hill.

Santos, J. F., & Galvão, K. S. (2015). Política de dividendos e seus fatores determinantes: evidenciando a ausência de consenso teórico-empírico. Revista da FAE, 18(1), 52-69.

Saravanakumar, S. (2011). Determinants of corporate dividend policy. Asia Pacific Business Review, 7(2), 25-36.

Satterthwaite, F. E. (1946). An approximate distribution of estimates of variance components. Biometrics bulletin, 2(6):110–114. https://doi.org/10.2307/3002019

Silva, A. L. C. (2004). Governança corporativa, valor, alavancagem e política de dividendos das empresas brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo - RAUSP, 39(4).

Silva, N. D., Moreira, K. D. S., Pereira, V. S., Rezende, C. F., & Pitangui, C. (2016). Empresas Brasileiras Emissoras de ADRs: Um estudo da distribuição de dividendos em períodos de crise. In Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC.

Silva, J. E., Morgan, L. M., Machado, M. J. D. C. M., & Montebelo, M. I. D. L. M. (2019). Política de dividendos e criação de valor: um estudo no mercado brasileiro. Revista Ambiente Contábil, 11(1), 77-97. https://doi.org/10.21680/2176-9036.2019v11n1ID15985

Souza, D. H. O., Peixoto, F. M., & Santos, M. A. (2016). Efeitos da Governança Corporativa na Distribuição de Dividendos: Um Estudo em Empresas Brasileiras. Advances in Scientific & Applied Accounting, 1(1). http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2016090104

Sousa Filho, J. F., Silva, L. A., & Menezes, V. B. (2018). A Dinâmica das Exportações Brasileiras nos Períodos Pré e Pós-Crise Financeira Mundial de 2008/2009: Uma Análise Shift-Share. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, 2(40). http://dx.doi.org/10.21452/rde.v2i40.5667

Vancin, D., & Procianoy, J. L. (2016). Índices contábeis e a decisão do pagamento de dividendos. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(28), 57-80. http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2016v13n28p57

Wooldridge, J. M. (2010). Introdução à econometria: uma abordagem moderna. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Publicado

2021-04-26

Como Citar

Martucheli, C. T., Ribeiro, J. E., Silva, E. A., Souza, A. A. de, & Pinheiro, J. L. (2021). Política de Dividendos e Períodos de Recessão: Evidências no Mercado de Capitais Brasileiro. Journal of Accounting, Management and Governance, 24(1), 37–54. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2021v24n1a3

Edição

Seção

Artigo científico (Seção de Gestão e Contabilidade de Empresas Privadas & do Terceiro Setor)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)