Indicadores Financeiros, Macroeconômicos e de Governança Corporativa na Previsão de Insolvência em Empresas da B3

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2019v22n3a6

Palavras-chave:

Previsão de insolvência, Indicadores financeiros, Indicadores macroeconômicos, Indicadores de Governança Corporativa.

Resumo

Objetivo: Analisar o efeito de indicadores financeiros, macroeconômicos e descritivos (qualitativos) de governança corporativa na previsão de insolvência de empresas da Brasil, Bolsa, Balcão (B3), entre os anos de 2006 e 2016.

Método: Foi estimada a regressão logística com dados em painel não balanceado, após a escolha de melhores variáveis preditoras do modelo, utilizando o método backward stepwise. A amostra se baseia em 55 empresas não financeiras de capital aberto.

Originalidade/relevância: Ao inserir variáveis macroeconômicas e variáveis de governança corporativa, espera-se que a condição de insolvência de empresas tenha mais uma alternativa explicativa, a fim de diminuir os aspectos negativos que tal condição impõe sob as partes relacionadas.

Resultados: O número de classificações corretas do modelo foi de 89,5%, com um valor de Pseudo R2 = 0.4872. Os resultados revelam que os indicadores financeiros, assim como verificado em outros trabalhos, são bons preditores de insolvência de empresas. Em relação aos indicadores de governança corporativa utilizados na pesquisa, os resultados do p-value não rejeitam a relação teórica de que elementos de gestão podem estar relacionados a insolvência de empresas. No tocante a fatores macroeconômicos, apenas uma (dentre 5) variável mostrou um valor de significância estatística conforme o definido.

Contribuições teóricas/metodológicas: Os resultados podem justificar o fato de apenas a variável produto interno bruto (dentre as macroeconômicas) tenha apresentado relação estatística significativa com o modelo de previsão, uma vez que a gestão das organizações pode superar dificuldades causadas por variáveis da macroeconomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenildo Santos Bezerra, Professor Assistente Departamento de Ciências Contábeis - Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Ciências Contábeis - Universidade Federal de Pernambuco

Umbelina Cravo Teixeira Lagioia, Professora Adjunta Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais - Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Administração - Universidade Federal de Pernambuco

Mércia de Lima Pereira, Professora Mestre UBTech Business - Centro Universitário de João Pessoa - Unipê

Mestra em Ciências Contábeis - Universidade Federal da Paraíba

Referências

Altman, E. I., Hotchkiss, E. (2006). Corporate financial distress and bankruptcy: predict and avoid bankruptcy, analyze and invest in distressed debt. New Jersey: Wiley.

Andrade, J. C., Melo, A. S. (2016). Causalidade entre Variáveis Macroeconômicas e a Receita Bruta: uma Análise Utilizando Vetores Autorregressivos (VAR). Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 4, n. 3, p. 6-29. Doi: https://doi.org/10.18405/recfin20160301

Beaver, W. (1966). Financial ratios as predictors of failure. Journal of Accounting Research, v. 4, p. 71-111. Doi: http://doi.org/10.2307/2490171

Beaver, W., McNichols, M., Rhie, J. (2005). Have Financial Statements Become Less Informative? Evidence from the Ability of Financial Ratios to Predict Bankruptcy. Review of Accounting Studies, vol. 10, nº. 1, p. 93-122. Doi: https://doi.org/10.1007/s11142-004-6341-9

Brito, G. A. S., Assaf Neto, A. (2008). Modelo de classificação de risco de crédito de empresas. Revista Contabilidade & Finanças, v. 46, p. 18-29. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772008000100003

Castro Junior, F.H.F. (2003). Previsão de Insolvência de empresas brasileiras usando análise discriminante, regressão logística e redes neurais. 2003. 187 fls. Dissertação de Mestrado, Departamento de Contabilidade e Atuária da Faculdade de Economia, Administração, e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fávero, L.P. et al. (2009). Análise de dados: Modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Campus.

Gitman, L. J. (1997). Princípios de administração financeira. 7. ed. São Paulo: Habra.

Gujarati, D. N., Porter, D. C. (2011). Econometria Básica. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Hosmer, D. W.; Lemeshow, S. (2000). Applied Logistic Regression. 2ª ed. New York: Wiley Inc.

Hsiao, C. (2014). Analysis of Panel Data. 3ª ed. Cambridge University Press.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. São Paulo: Bovespa.

Kanitz, S.C. (1978). Como prever falências. São Paulo: McGraw Hill.

Karamzedeh, M. S. (2013). Application and Comparison of Altman and Ohlson Models to Predict Bankruptcy of Companies. Research Journal Applied Sciences, Engineering and Technology, vol. 5, nº 6, p. 2007–2011. Doi: http://doi.org/10.19026/rjaset.5.4743

Law nº 11.101/05, de 09 de fevereiro de 2005.

Regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária. Brasília, DF. Recuperado em 29 dezembro, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11101.htm

Liou, D., Smith, M. (2006). Macroeconomic variables in the identification of financial distress, Working papers series, Social Science Research Network. Doi: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.900284

Liu, J. (2004). Macroeconomic determinants of corporate Failures: Evidence from the UK. Applied Economics, v. 36, n.9, p. 939-945. Doi: https://doi.org/10.1080/0003684042000233168

Martins, M. S. (2003). A previsão de insolvência pelo modelo de Cox: uma contribuição para a análise de companhias abertas brasileiras, 2003. Dissertação de Mestrado - Programa de Pós-Graduação em Administração, Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Mendes, I. O. V. (2014). Variáveis discriminantes dos estágios de insolvência de Empresas. 2014. 111f. Dissertação (Mestrado em Contabilidade) - Setor de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Oliveira, M.P.G. (2014). A insolvência empresarial na indústria transformadora portuguesa: as determinantes financeiras e macroeconômicas. Porto, 2014. 68p. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

Pedace, R. Econometrics for Dummies. Hoboken: John Wiley & Sons, 2013.

Rezende, F., Montezano, R., Oliveira, F., & Lameira, V. (2017). Previsão de dificuldade financeira em empresas de capital aberto. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 28, n. 75, p. 390-406, dec. Doi: https://doi.org/10.1590/1808-057x201704460

Santos, J., Silva, A. (2014). The Determinants of Trade Credit: A Study of Portuguese Industrial Companies. International Journal of Financial Research, v.5, n.4, p128-138. Doi: https://doi.org/10.5430/ijfr.v5n4p128

Scalzer, R.S., Rodrigues, A, Macedo, M.A.S. (2015). Insolvência empresarial: um estudo sobre as distribuidoras de energia elétrica brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 12, n. 27, p. 27-60, set./dez.

Soares, R. A., Rebouças, S. M. D. (2014). Avaliação do Desempenho de Técnicas de Classificação Aplicadas à Previsão de Insolvência de Empresas de Capital Aberto Brasileiras. Revista ADM.MADE, v. 18, n. 3, p. 21.

Stüpp, D. R. (2015). Previsão de insolvência a partir de indicadores contábeis: evidências de empresas listadas na BM&FBOVESPA nos anos 2004-2013. 120f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Contabilidade – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Vasconcelos, Y. L. (2007). Mapas explicativos da insolvência em nível falimentar: as perspectivas de gestores, consultores e acadêmicos. Salvador, 2007. 263p. Tese (Doutorado) Núcleo de Pós-graduação em Administração / Universidade Federal da Bahia.

Wadhwani, S. B. (1986). Inflation, bankruptcy, default premia and the Stock Market, Economic Journal, v. 96, p.120-138. Doi: http://doi.org/10.2307/2233429

Wruck, K.H. (1990). Financial Distress, reorganization, and organizational efficiency. Journal of Financial and Economics, v. 27, n.2, pp. 419-444. Doi: https://doi.org/10.1016/0304-405X(90)90063-6

Yoshitake, M. (2004). Teoria do controle gerencial. Salvador: IBRADEM – Instituto Brasileiro de Doutores e Mestres em Ciências Contábeis.

Young, G. (1995). Company Liquidations, Interest Rates and Debt. The Manchester School (Suppl), 63: 57–69. Doi: https://doi.org/10.1111/j.1467-9957.1995.tb01448.x

Publicado

2019-12-15

Como Citar

Bezerra, E. S., Lagioia, U. C. T., & Pereira, M. de L. (2019). Indicadores Financeiros, Macroeconômicos e de Governança Corporativa na Previsão de Insolvência em Empresas da B3. Journal of Accounting, Management and Governance, 22(3), 405–422. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2019v22n3a6

Edição

Seção

Artigo científico (Seção de Gestão e Contabilidade de Empresas Privadas & do Terceiro Setor)

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)