Impacto da Desvinculação de Receitas da União (DRU) no resultado da previdência social.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2020v23n1a7

Palavras-chave:

Desvinculação de Receitas da União, Previdência Social, Regime Geral da Previdência Social, Finanças Públicas, Déficit Previdenciário

Resumo

Objetivo: Esse trabalho teve como objetivo identificar ou impactar a Receita da União (DRU), analisando como receitas e despesas relacionadas com o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) entre os exercícios financeiros de 2012 a 2016.

Método: O presente artigo é um estudo exploratório. Foi empregada uma análise comparativa entre os fluxos de receitas e despesas do RGPS e da União e os impactos da DRU.

Originalidade / relevância: Diante da atualidade da reforma social previdenciária no Brasil e da polarização do debate em relação a essa reforma, uma DRU foi apontada como uma das sepulturas ingeridas pelo governo não que se refere à previdência.

Resultados: verificada na DRU, nos anos de 2012 a 2016, não há contribuições para a formação de déficit de Previdência, pois todo esse período de valores de despesas com o RGPS foram superiores às receitas, sendo, portanto, esta situação a principal causa de déficit faça RGPS.

Contribuições teóricas / metodológicas: Identificado-se o aumento das despesas previdenciárias vem superando o aumento das receitas previdenciárias, ou o que pode estar relacionado à crise econômica desencadeada pela crise econômica iniciada no Brasil a partir de 2014. Desse modo, uma pesquisa para avaliar reais causa e conseqüências para o déficit de RGPS, que simples suposição de impacto da DRU.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janilson Antonio da Silva Suzart, Controladoria-Geral da União

Doutorado em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo. Mestrado em Contabilidade pela Universidade da Bahia.

Diones Gomes da Rocha, Tribunal de Contas da União

Doutorado em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas

Robson Zuccolotto, Universidade Federal do Espírito Santo

Pós-Doutorado em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas, Doutorado em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo

Referências

Adalberto, L., & Oliveira, M. (2016). Previdência Social é o caixa forte de todos os governos da República. COBAP. Revista viva mais. (19 ed.). Ano 04. Nov/Dez 2016. pp. 18-20. Recuperado em 06 de junho, 2017 de http://www.cobap.org.br/pageflip/Main.asp?MagID=7&MagNo=129.

Alencar, H. A. (2009). (4º Ed.). Benefícios previdenciários: temas integrais revisados e atualizados pelo autor com obediência às leis especiais e gerais. São Paulo: Leud.

Brasil. (1923). Decreto nº 4.682, de 26 de agosto de 1960. Cria, em cada uma das empresas de estradas de ferro existentes no país, uma caixa de aposentadoria e pensões para os respectivos empregados. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/historicos/dpl/dpl4682.htm.

Brasil. (1945). Decreto-Lei nº 7.526, de 14 de maio de 1945. Lei Orgânica dos Serviços Sociais do Brasil. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del7526.htm.

Brasil. (1960). Lei nº 3.807, de 26 de agosto de 1960. Dispõe sobre a Lei Orgânica da Previdência Social. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L3807.htm.

Brasil. (1966). Decreto-Lei nº 72, de 21 de novembro de 1966. Unifica os Institutos de Aposentadoria e Pensões e cria o Instituto Nacional de Previdência Social. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del0072.htm.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado em 6 junho, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao compilado.htm.

Brasil. (1991). Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, institui Plano de Custeio, e dá outras providências. Recuperado em 29 junho, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8212cons.htm.

Brasil. (1994). Emenda Constitucional de Revisão n. º 1, de 01 de março de 1994. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constitui cao/emendas/ecr/ecr1.htm.

Brasil. (1997). Emenda Constitucional n. º 17, de 22 de novembro de 1997. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/ emc/emc17.htm.

Brasil. (1998). Emenda Constitucional n. º 20, de 15 de dezembro de 1998. Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. Recuperado em 25 maio, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc20.htm.

Brasil. (2000). Emenda Constitucional n° 27, de 21 de março de 2000. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/ emc/emc27.htm.

Brasil. (2003a). Emenda Constitucional n° 41, de 19 de dezembro de 2003. Recuperado em 29 junho, 2017 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/ emc/emc41.htm.

Brasil. (2003b). Emenda Constitucional n° 42, de 19 de dezembro de 2003. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/ emc/emc42.htm.

Brasil. (2009). Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/ emc/emc59.htm.x’

Brasil. (2011). Emenda Constitucional n° 68, de 21 de dezembro de 2011. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/ emc/emc68.htm.

Brasil. (2016a). Emenda Constitucional nº 93, de 8 de setembro de 2016. Recuperado em 02 abril, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/ emc/emc93.htm.

Brasil. (2016b). Proposta de Emenda Constitucional n. º 287, de 05 de dezembro de 2016. Recuperado em 5 junho, 2017 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Projetos/ PEC/2016/msg635-dezembro2016.htm.

Coelho, V. S. P. (2003). A reforma da previdência social na América Latina. São Paulo: Editora FGV.

Dias, F. A. (2011). Desvinculação de receitas da União, ainda necessária? Núcleo de Estudos e Pesquisas do Senado – Textos para discussão, 103, p. 1-25.

Dias, F. A., & Tavares, J. F. (1999). Impacto da desvinculação de receitas da União no orçamento federal e em gastos sociais. Cadernos Aslegis, 3(9), p. 51-67.

Garcia, G. (2016). Entenda a crise econômica. EBC – Agência Brasil. Recuperado em 07 de novembro, 2016 de http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2016-05/entenda -crise-economica.

Giambiagi, F., Mendonça, J. L. O., Beltrão, K. I. & Ardeo, V. L. (2004). Diagnóstico da Previdência Social no Brasil: O que foi feito e o que falta reformar. Pesquisa e Planejamento Econômico - IPEA, 34(3), pp. 365-418.

Gillerard, C., & Higgs, P. (2007). The third age and the baby boomers: two approaches to the social structuring of later life. International Journal of Ageing and Later Life, 2(2), p.13-30. DOI: http://dx.doi.org/10.3384/ijal.1652-8670.072213

Herscovitch, A., & Stanton, D. (2008). History of social security in Australia. Family Matters, 80, p. 51-60.

Hujo, K. (2009). Novos paradigmas na previdência social: lições do Chile e da Argentina. Planejamento e Políticas Públicas, 19, p. 149-188.

Marmor, T. R., & Mashaw, J. L. (Eds.). (2017). Social Security: Beyond the Rhetoric of Crisis. Princeton: Princeton University Press.

Martello, A. (2017). Previdência tem déficit recorde de R$ 149,7 bilhões em 2016. Recuperado em 25 de junho, 2017 de http://g1.globo.com/economia/noticia/rombo-da-previdencia-social-cresce-745-em-2016-e-bate-recorde.ghtml.

Mesa-Lago, C. (2006). As reformas da previdência na América Latina e os seus impactos nos princípios de seguridade social. (Secretaria de Políticas de Previdência Social. Trad.). Brasília: Ministério da Previdência Social.

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. (2003). Vinculações de receitas dos orçamentos fiscal e da seguridade social e o poder discricionário de alocação dos recursos do governo federal. Brasília: Secretaria de Orçamento Federal – SOF.

Pinto, E. G. (2008). Seis vezes DRU: flexibilidade orçamentária ou esvaziamento de direitos sociais? De Jure – Revista Jurídica do Ministério Público de Minas Gerais, 11, p. 511-537.

Rose, A. K., & Spiegel, M. M. (2010). Cross-country causes and consequences of the 2008 crisis: international linkages and American exposure. Pacific Economic Review, 15(3), p. 340-363. DOI: http://dx.doi.org/10.3386/w15358

Scaff, F. F. (2004). Direitos humanos e a desvinculação de receitas da União – DRU. Revista Brasileira de Direito Constitucional, 4, p. 723-736.

Silva, M. L. L. (2011). (Des) estruturação do trabalho e condições para a universalização da Previdência Social no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília. Recuperado em 25 de maio, 2017 de http://pct.capes.gov.br/teses/2011/53001010035P1/TES.PDF.

Suzart, J. A. (2015). O impacto da desvinculação de receitas nos gastos com educação da União: uma análise entre os anos de 1994 a 2012. Revista de Administração Pública, 49(4), p. 869-887. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612132753

Wolf, P. J. W., & Oliveira, G. C.de. (2017). Os sistemas de proteção social do Brasil e dos países da Europa Meridional: uma análise comparada. Texto para discussão: Economia – Unicamp, 288, p. 1-57.

Publicado

2020-04-29

Como Citar

Suzart, J. A. da S., Rocha, D. G. da, & Zuccolotto, R. (2020). Impacto da Desvinculação de Receitas da União (DRU) no resultado da previdência social. Journal of Accounting, Management and Governance, 23(1), 107–123. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2020v23n1a7

Edição

Seção

Artigo científico (Seção de Gestão e Contabilidade Pública)