Expressões de Incerteza em Pronunciamentos Contábeis: Há Algum Efeito do Tempo nas Diferenças de Percepção?

Autores

  • Rodrigo Fernandes Malaquias UFU - Universidade Federal de Uberlândia http://orcid.org/0000-0002-7126-1051
  • Thalyson Renan Bitencourt Machado Universidade Federal de Uberlândia.
  • Fernanda Franco de Sá Universidade Federal de Uberlândia.

DOI:

https://doi.org/10.51341/1984-3925_2017v20n1a2

Palavras-chave:

Expressões de Incerteza, Instrumentos Financeiros, IASB

Resumo

O objetivo geral desta pesquisa foi analisar se as diferenças na percepção sobre as expressões de incerteza podem ser tidas como persistentes ao longo do tempo. A análise envolveu as abordagens quantitativa (com testes de comparação de médias, medianas, análise de regressão por mínimos quadrados ordinários e regressão quantílica) e qualitativa, com entrevistas. Os principais resultados evidenciaram que a percepção dos participantes da pesquisa sobre as expressões de incerteza não apresentou diferenças estatisticamente significativas, o que difere dos estudos anteriores. Este pode ser um indicativo da tendência de eliminação de potenciais divergências na interpretação de normas ao longo do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Fernandes Malaquias, UFU - Universidade Federal de Uberlândia

Professor dos cursos de Graduação, Mestrado e Doutorado em Ciências Contábeis da FACIC/UFU.

Thalyson Renan Bitencourt Machado, Universidade Federal de Uberlândia.

Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia.

Fernanda Franco de Sá, Universidade Federal de Uberlândia.

Possui Graduação em Ciências Contábeis pela Faculdade de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

Aguiar, A. B., & Hirano, A. (2003). Os impactos do fair value como base de valor para instrumentos financeiros derivativos na atual estrutura da contabilidade – um enfoque normativo. Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Atibaia, SP, Brasil, 27.

Almeida, M. A., Lemes, S., Weffort, E. F. J., & Malaquias, R. F. (2008). Análise da percepção sobre expressões de incerteza presentes nas normas internacionais de contabilidade. Revista UnB Contábil, 11(1-2), 240-259.

Almeida, N. S., & Lemes, S. (2013). Evidências do entendimento de quatro pronunciamentos contábeis por auditores independentes do Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 17(1), 83-105. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552013000100006

Barth, M. E. (2006). Global financial reporting: how does the U.S. fit in? The Saxe Lectures in Accounting. Recuperado em 28 abril, 2014, de https://www.baruch.cuny.edu/library/alumni/online_exhibits/digital/saxe/saxe_2006/barth_06.htm

Barth, M. E., Landsman, W. R., & Lang, M. H. (2008). International Accounting Standards and Accounting Quality. Journal of Accounting Research, 46(3), 467-498. doi: 10.1111/j.1475-679X.2008.00287.x

Bradbury, M. E., & Schröder, L. B. (2012). The content of accounting standards: Principles versus rules. The British Accounting Review, 44(1), 1-10. doi: 10.1016/j.bar.2011.12.003

Carmona, S., & Trombetta, M. (2008). On the global acceptance of IAS/IFRS accounting standards: The logic and implications of the principles-based system. Journal of Accounting and Public Policy, 27(6), 455-461. doi: 10.1016/j.jaccpubpol.2008.09.003

Castro, M. L. (2001). Uma contribuição ao estudo da harmonização das normas contábeis na era da globalização. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 1.

Chand, P., Cummings, L., & Patel, C. (2012). The Effect of Accounting Education and National Culture on Accounting Judgments: A Comparative Study of Anglo-Celtic and Chinese Culture. European Accounting Review, 21(1), 153-182. doi: 10.1080/09638180.2011.591524

Chand, P., Patel, C., & Patel, A. (2010). Interpretation and application of "new" and "complex" international financial reporting standards in Fiji: implications for converge of accounting standards. Advances in Accounting, 26(2), 280-289. doi: 10.1016/j.adiac.2010.08.004

Chesley, G. R. (1986). Interpretation of Uncertainty Expressions. Contemporary Accounting Research, 2(2), 179-199.

CPC. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2016). Conheça o CPC. Recuperado em 08 julho, 2016, de http://www.cpc.org.br/CPC/CPC/Conheca-CPC

CPC. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2009). Pronunciamento Técnico CPC 38: Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. Recuperado em 30 abril, 2014, de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/406_CPC_38_rev%2006.pdf

CPC. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2009). Pronunciamento Técnico CPC 39: Instrumentos Financeiros: Apresentação. Recuperado em 30 abril, 2014, de http://www.cpc.org.br/Arquivos/Documentos/410_CPC_39_rev%2006.pdf

CPC. Comitê de Pronunciamentos Contábeis. (2012). Pronunciamento Técnico CPC 40: Instrumentos Financeiros: Evidenciação. Recuperado em 30 abril, 2014, de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/418_CPC_40_R1_rev%2008.pdf

Davidson, R. A., & Chrisman, H. H. (1994). Translations of uncertainty expressions in Canadian accounting and auditing standards. Journal of International Accounting, Auditing & Taxation, 3(2), 187-203. doi:10.1016/1061-9518(94)90016-7

Dennis, I. (2008). A conceptual enquiry into the concept of a ‘principles-based’ accounting standard. The British Accounting Review, 40(3), 260-271. doi: 10.1016/j.bar.2008.05.005

Doupnik, T. S., & Riccio, E. L. (2006). The influence of conservatism and secrecy on the interpretation of verbal probability expressions in the Anglo and Latin cultural areas. The International Journal of Accounting, 41(3), 237-261. doi:10.1016/j.intacc.2006.07.005

Doupnik, T. S., & Richter, M. (2003). Interpretation of uncertainty expressions: a cross-national study. Accounting, Organizations and Society, 28(1), 15-35. doi:10.1016/S0361-3682(02)00010-7

Echternacht, T. H. S., Niyama, J. K., & Almeida, C. (2007). O ensino da contabilidade internacional em cursos de graduação no Brasil: uma pesquisa empírica sobre o perfil dos docentes e recursos didáticos e metodológicos adotados. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 10(2), 119-146.

Faria, A.C., & Queiroz, M. R. B. (2009). Demanda de profissionais habilitados em contabilidade internacional no mercado de trabalho da cidade de São Paulo. Revista Universo Contábil, 5(1), 55-71.

Fernandes, B. V. R., Lima, D. H. S., Vieira, E. T., & Niyama, J. K. (2011). Análise da percepção dos docentes dos cursos de graduação em ciências contábeis do Brasil quanto ao processo de convergência às normas internacionais de contabilidade aplicadas no Brasil. Revista de Contabilidade e Controladoria, 3(3), 24-50.

Hernandez, F. G. H. (2003). Derivatives and The FASB: visibility and transparency? Critical Perspectives on Accounting, 14(8), 777-789. doi:10.1016/S1045-2354(02)00192-2

Huerta, E., Petrides, Y., & Braun, G. P. (2013). Translation of IFRS: language as a barrier to comparability. Research in Accounting Regulation, 25(1), 1-12. doi:10.1016/j.racreg.2012.11.007

Jaafar, A., & Mcleay, S. (2007). Country effects and sector effects on the harmonization of accounting policy choice. Abacus, 43(2), 156-189. doi: 10.1111/j.1467-6281.2007.00224.x

Kirk, N. (2006). Perceptions of the True and Fair View Concept: An Empirical Investigation. Abacus, 42(2), 205-235. doi: 10.1111/j.1468-4497.2006.00198.x

Laswad, F., & Mak, Y. T. (1997). Interpretations of Probability Expressions by New Zealand Standards Setters. Accounting Horizons, 11(4), 16-23.

Machado, M. C., & Nakao, S. H. (2014). Influência das diferenças culturais, econômicas e sociais na adoção das IFRS. Revista Universo Contábil, 10(1), 104-125. doi:10.4270/RUC.2014106

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Niyama, J. K., Corrêa, B. M., Botelho, D. R., & Santana, C. M. (2008). Conhecimento de contabilidade internacional nos cursos de graduação em ciências contábeis: estudo da oferta nas instituições de ensino superior das capitais brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 100-117. http://dx.doi.org/10.11606/rco.v2i2.34708

Niyama, J. K., Mendonça, A. C. S., & Aquino, D. R. B. (2007). Estudo empírico da percepção dos alunos de graduação em ciências contábeis do Distrito Federal quanto às causas das diferenças internacionais no financial reporting das empresas. Revista Universo Contábil, 3(2), 22-38.

Paulo, E., Carvalho, L. N. G., & Girão, L. F. A. P. (2014). Algumas Questões Sobre a Normatização Contábil Baseada em Princípios, Regras e Objetivos. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 2(2), 24-39. doi: 10.18405/recfin20140202

Psaros, J., Patel, C., & Warnakulasuriya, S. (2003). A Study of Uncertainty Expressions in Australian Accounting and Auditing Standards. Pacific Accounting Review, 15(2), 1-28.

Reimers, J. L. (1992). Additional Evidence on the Need for Disclosure Reform. Accounting Horizons, 6(1), 36-41.

Richardson, R. J. (Org). (2011). Pesquisa Social (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Sá, F. F., & Malaquias, R. F. (2012). Análise da percepção dos discentes de graduação em ciências contábeis sobre expressões de incerteza contidas nos pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(14), 77-105. http://dx.doi.org/10.11606/rco.v6i14.45401

Salleh, S. M., Gardner, J. C., Sulong, Z., & Mcgowan, C. B. (2011). The interpretation of "in context" verbal probability expressions used in International Accounting Standards: a comparison of English and Chinese students studying at English speaking universities. Journal of International Education Research, 7(2), 67-80. doi:10.19030/jier.v7i2.4251

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Baptista, M. D. P. L. (2013). Metodologia de Pesquisa (5a ed.). Porto Alegre: Penso.

Schultz, J. J., & Lopez, T. J. (2001). The impact of national influence on accounting estimates: implications for international accounting standards-setters. The International Journal of Accounting, 36(3), 271-290. doi:10.1016/S0020-7063(01)00103-0

Teixeira, C., & Silva, A. F. (2009). The interpretation of verbal probability expressions used in the ias/ifrs: some portuguese evidence. Revista de Estudos Politécnicos, 7(12), 57-73.

Wüstemann, J., & Wüstemann, S. (2010). Why Consistency of Accounting Standards Matters: A Contribuion to the Rules-Versus-Principles Debate in Financial Reporting. Abacus, 46(1), 1-27. doi: 10.1111/j.1467-6281.2010.00304.x

Downloads

Publicado

2017-04-20

Como Citar

Malaquias, R. F., Machado, T. R. B., & Sá, F. F. de. (2017). Expressões de Incerteza em Pronunciamentos Contábeis: Há Algum Efeito do Tempo nas Diferenças de Percepção?. Journal of Accounting, Management and Governance, 20(1), 20–37. https://doi.org/10.51341/1984-3925_2017v20n1a2

Edição

Seção

Artigos